Home » Notícias » Nutrição e a saúde bucal

Nutrição e a saúde bucal

 

A nutrição tem papel relevante na promoção de saúde bucal e na prevenção de cáries. Uma alimentação adequada durante a infância é essencial para o desenvolvimento e funcionamento adequado de toda cavidade bucal e estruturas faciais.

A população ainda acredita que o aparecimento de cárie é normal, uma fatalidade, que todos os seres humanos estão expostos. É importante destacar que estudos científicos atuais asseguram a possibilidade da criança acompanhada do nascimento à idade adulta sem apresentar cárie dentária (Kramer e cols., 2000).

Uma dieta rica em carboidrato simples (alimentos refinados) é um dos principais fatores para o surgimento das cáries dentárias. A sacarose é o carboidrato mais perigoso de todos, ele se propaga rapidamente pela placa bacteriana, sendo fermentado em diferentes tipos de ácidos que comprometem o tecido dentário.

Os monossacarídeos glicose e frutose, encontrados naturalmente nas frutas, nos vegetais, mel e o polissacarídeo amido, também devem ser considerados.

O carboidrato possibilita a liberação de ácido pelas bactérias sobre os dentes, além de aumentar a placa bacteriana.

O processo de refinamento ou industrialização, de modo geral, torna os carboidratos mais sensíveis à fermentação, assim, alimentos refinados que contenham amido, como pão ou biscoitos são mais nocivos. Os carboidratos complexos também possibilitam a atividade das bactérias, porém de modo mais lento e, consequentemente, menor formação de placas.

Para controlar o aparecimento das cáries é indispensável uma alimentação equilibrada, com alimentos integrais que irão aumentar o fluxo salivar, permitindo que os ácidos bacterianos sejam neutralizados mais rapidamente. Portanto, fique atento e introduza nas refeições da sua família, entre outros, arroz, macarrão e pães integrais.

 

 
Henrique Tiago Neto
Nutricionista – Personal Nutrition

About nutrimeu

Check Also

beer-3065711_640

O consumo de cerveja na composição corporal

Que o álcool é supressor da síntese proteica, é fato! Agora, a questão, é: qual …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *