Home » Notícias » O vilão das mulheres: a dieta

O vilão das mulheres: a dieta

Foto: vilaclub.vilamulher/reprodução
Foto: vilaclub.vilamulher/reprodução

Fazer dieta promove aumento do estresse de seu corpo e, com isso, o risco de usar a comida como recompensa; baixa auto-estima e sensação de fracasso após recuperar o peso.

O aumento do apetite fará você sentir mais fome mais cedo. Os hormônios e os neurotransmissores se desregulam para incentivar a procura de alimentos. Você corre o risco de ter obsessão por alimentos, especialmente os “proibidos” justamente para que coma e não corra nenhum perigo de perder gordura;

Juntamente com isso ocorre a diminuição do metabolismo para tentar captar o máximo de energia dos alimentos (este sendo mantido mesmo quando a restrição é cessada)

Ainda, por obedecermos a um estímulo externo (dieta), acabamos nos desconectando das sensações internas do nosso corpo, como as de fome, saciedade e apetite o que pode levar à desregulação desses sinais e levando a comer compulsivo, pois não sabemos mais quando nossa fome se iniciará, nem tampouco quando ficaremos satisfeitos, podendo gerar transtornos alimentares.

Enfim, pesquisas mostram que dietas não funcionam para promover perda de peso em longo prazo, podem trazer inúmeras consequências deletérias (clínicas, físicas e emocionais), precipitar transtornos alimentares e ainda levar à obesidade.

salad-791891_640Então qual a solução?

A melhor maneira para perder peso de forma duradoura e saudável pode não ser tão tentadora como dizem as promessas dos regimes da moda, mas acredite: ela não é agressiva e está no simples, sem radicalismos, sem restrições, como fazer mudanças pequenas e graduais nos hábitos alimentares sempre respeitando o SEU tempo, buscando o equilíbrio, a intuição e a consciência alimentar. Vai exigir tempo, paciência, determinação e, inevitavelmente dificuldades pelo caminho, mas a chave é INSISTIR! Insista. Sempre contando com o acompanhamento de um nutricionista- preferencialmente comportamental e, se necessário de um psicólogo.

Patrícia Ito
Nutricionista – CRN-3 43825
patricia.itou@gmail.com
Facebook: Nutrindo Mentes

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas

ALVARENGA, M. et al. Nutrição comportamental. São Paulo: Editora Manole, 2015. 549p. BLANC, S. et al. Energy expenditure of rhesus monkeys subjected to 11 years of dietary restriction. J Clin Endocrinol Metab., v. 88, n. 1, p. 16- 23, jan. 2003.

CURIONI, C. C.; LOURENÇO, P. M. Long-term weight loss after diet and exercise: a systematic review. Int J Obes, v. 29, n. 10, p. 1168- 74, oct. 2005.

DERAM, S. O peso das dietas. São Paulo: Editora Sensus, 2014. 320 p.

FOXCROFT, L. A tirania das dietas. São Paulo: Três Estrelas; 2013.

MANN, T. Medicare’s search for effective obesity treatments: diets are not the answer. Am Psychol., v. 62, n. 3, p. 220-33, apr. 2007.

ROLLAND, C. et al. Long-term weight loss maintenance and management following a VLCD: a 3-year outcome. Int J Clin Pract., v. 68, n. 3, p. 379- 87, mar. 2014.

VILLAVERDE, C. et al. Energy restriction results in a mass-adjusted decrease in energy expenditure in cats that is maintained after weight regain. J Nutr., v. 138, n. 5, p. 856 -60, mai. 2008.

About meunutricionista

Check Also

InShot_20171203_111326252

Dieta cetogênica – existe algum benefício?

É contraproducente pensar em boa performance com restrição de carboidrato, no entanto, a restrição pontual …