Home » Notícias » No Esporte » Suplementação de glutamina no exercício físico

Suplementação de glutamina no exercício físico

Foto: segredosdaalimentacao (reprodução)
Foto: segredosdaalimentacao (reprodução)

A glutamina é o aminoácido livre e mais abundante no tecido muscular, exerce funções muito importantes no metabolismo humano sendo uma delas no exercício físico.

Já é sabido e consenso que a pratica regular de atividade física unida a uma alimentação balanceada é a melhor maneira de se alcançar o bem estar físico e mental.

Segundo Cruzat, 2007 quando a pratica do exercício se torna intensa e exaustiva o organismo pode responder de forma negativa aumentando a suscetibilidade de lesões, fadiga crônica e overtraining que parcialmente é vindo do aumento da produção de espécies reativas de oxigênio. Muitas estratégias nutricionais podem ser adotadas a fim de reduzir os pontos negativos causados pela intensidade do treinamento físico.

Umas das justificativas da suplementação de glutamina é a diminuição da glutaminemia durante o exercício físico prolongado em resposta ao aumento da concentração de lactato sanguíneo alterando o pH sanguíneo favorecendo a maior captação pelos rins.

Outro mecanismo que reduz a concentração de glutamina plasmática durante e após o exercício físico é o aumento da concentração do hormônio cortisol que estimula o efluxo de glutamina muscular e a captação de glutamina pelo fígado.

Durante o exercício prolongado acontece uma diminuição dos estoques de glicogênio hepático (energia) e isso quando aliado ao aumento do cortisol promove um aumento da produção de energia (neoglicogênese) a partir do aminoácido glutamina.

Segundo o nutricionista Murilo Dáttilo a suplementação de glutamina para preservação do sistema imune em que faz exercícios físicos é comum, porém, carente de suporte científico já que ela não é considerada uma estratégia nível A de evidência.

Ainda segundo o nutricionista mesmo contornando a redução de glutamina no sangue durante a após os exercícios de longa duração, por meio de sua oferta exógena, perturbações a imunocompetência ainda podem ser encontradas.

Sendo assim, acredita-se que outros mecanismos estejam envolvidos na imunossupressão induzida por exercícios físicos extenuantes.

Atualmente as estratégias de maior destaque são: vitamina D, carboidratos, probióticos, quercetina e epigalocatequina galato.

Repensemos nas nossas estratégias para exercícios físicos de longa duração.

 

Adriana Fanaro Oliveira
Nutricionista – CRN3-17166

Referências Blbliográficas

Referências Blbliográficas

HTTP://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26634839

CRUZAT, Vinicius Fernandes; ROGERO, Marcelo Macedo; BORGES, Maria Carolina e TIRAPEGUI, Julio. Aspectos atuais sobre estresse oxidativo, exercícios físicos e suplementação. Rev Bras Med Esporte [online]. 2007, vol.13, n.5

GARCIA JUNIOR, Jair Rodrigues; PITHON-CURI, Tânia Cristina e CURI, Rui.Conseqüências do exercício para o metabolismo da glutamina e função imune. Rev Bras Med Esporte [online]. 2000, vol.6, n.3 [citado 2016-08-06], pp.99-107.

About meunutricionista

Check Also

InShot_20171203_111326252

Dieta cetogênica – existe algum benefício?

É contraproducente pensar em boa performance com restrição de carboidrato, no entanto, a restrição pontual …