Home » Você Nutricionista » Nutrição Clínica » Anemia do ponto de vista científico!

Anemia do ponto de vista científico!

Iron deficiency and iron deficiency anemia in women.
Autores: Coad J,Pedley K
Revista: Scand J Clin Lab Invest (Scandinavian journal of clinical and laboratory investigation).

Volume: 74 Edição: S244 Páginas: 82-89 Data: 2014 Aug

Este artigo divulgado na PuBMED relata a importância do consumo de ferro e seus prejuízos ao organismo. O metabolismo do ferro é regulado pela hemoglobina, uma molécula que transporta o ferro na circulação sanguínea; a IRP – proteína reguladora do ferro é capaz de modular sua utilização, transporte e armazenamento, de acordo com o consumo.

A deficiência de ferro nem sempre está relacionada a diminuição dos níveis de hemoglobina, é mais comum a diminuição de proteínas dependentes de ferro; requisição deste nutriente vem somente de 5 a 10% da dieta alimentar, a maior parte é obtida pela reciclagem dos eritrócitos senescentes por macrófagos.

Por este motivo, a falha na identificação da deficiência de ferro, em estágios iniciais, pode progredir para anemia e as implicações cognitivas devem ser avaliadas pelo profissional logo no início, alguns sintomas se confundem com cansaço do dia a dia, como excesso de sono, fadiga e até perdas leves de memória.

O mais complexo é a absorção do ferro ser inibida por vários fatores e um dele são as doenças inflamatórias, como obesidade, que retém o ferro nos eritrócitos e macrófagos, causando hipoferremia, uma estratégia do organismo de defesa, restringindo a disponibilidade de ferro para agentes patogênicos.

O grupo mais prejudicado da população é o das mulheres que, tanto na fase pré-menopausa, como na gestação, tem uma perda sanguínea aumentada, quando não tratada pode ocasionar quadro grave de anemia. Esta deficiência também pode ser encontrado em doadores regulares de sangue, indivíduos com lesões gastrintestinais ou atletas que, no decorrer do tempo, excedem a capacidade funcional do trato gastrintestinal de absorção do micronutriente, por prolongada necessidade e utilização excessiva.

Outro fator limitante é o cobre, que compete o mesmo transportador do ferro, ou seja, a transferrina transporta ambos micronutrientes e pode ocasionar erro no diagnóstico de anemia.

Os alimentos ricos em ferro e de melhor absorção são as fontes de origem animal, como vísceras e carnes vermelhas; fontes de origem vegetal, como leguminosas e alguns legumes tem somente de 5 a 10% de absorção pelo organismo, essa porcentagem só aumenta caso o organismo apresentar em deficiência nutricional.

Se você não é um profissional da área e ficou com dúvida, estamos a disposição: nutricionista@meunutricionista.com.br.

About nutrimeu

Check Also

InShot_20171203_111326252

Dieta cetogênica – existe algum benefício?

É contraproducente pensar em boa performance com restrição de carboidrato, no entanto, a restrição pontual …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *